Capa_O_Ateneu_md

O Ateneu
Crônica de Saudades
Autor: 
Edição: 5ª Edição
Formato: Impresso
Faixa etária: A partir de 15 anos
Trabalho interdisciplinar: Literatura, Português
Indicação: 1º Ano (EM), 2º Ano (EM), 3º Ano (EM)
Área: Ficção
Temas contemporâneos: Ética
Dimensões do produto: 15,5 x 22,5 x 1,9
Número de páginas: 240
ISBN: 9788516113933
Preço sugerido: R$ 32,00
Mudar o tamanho da letra  
 
 Sobre o livro

 Aos onze anos de idade, o garoto Sérgio ingressa como aluno interno no Ateneu, famoso colégio carioca dirigido por Aristarco Argolo de Ramos, considerado um dos melhores educadores do Brasil. Na verdade, esse homem conseguira ganhar a confiança das famílias graças à intensa propaganda que fazia de seu estabelecimento de ensino. Por trás da aparência de educador havia um esperto homem de negócios. Logo nos primeiros dias, Sérgio sofre uma espécie de choque de realidade, ao descobrir que o colégio não era bem o que imaginava. Ao contrário, era um lugar onde a força prevalecia, e onde os fortes dominavam os fracos impiedosamente. O clima de competição desespera Sérgio, que encontra em Sanches um protetor, que em troca, no entanto, o assedia sexualmente. Sérgio isola-se e começa a desenvolver seus próprios meios de defesa naquele ambiente corrompido e sensual. Uma das camareiras, Ângela, com seu corpo atraente e seu jeito provocante, povoa a imaginação dos alunos e funcionários e acaba sendo o pivô de uma tragédia: dois empregados do colégio disputam seu amor e um deles é assassinado pelo outro. A violência do sistema escolar, por sua vez, é exemplificada pelo tratamento cruel e desumano que o diretor dá a Franco, um aluno que se transforma numa espécie de bode expiatório de tudo que acontece no Ateneu. Vítima constante de castigos físicos e psicológicos, Franco acaba morrendo. Ao retornar das férias para mais um período escolar, Sérgio já vê o internato com outros olhos, percebendo o autoritarismo de Aristarco e seus interesses puramente econômicos com a escola. Reconhece a hipocrisia que marca os relacionamentos entre os alunos. Quando acabam as aulas, Sérgio permanece na escola porque sua família, por problemas de saúde de seu pai, estava viajando pela Europa. Sérgio fica doente e é cuidado com carinho de mãe por D. Ema, esposa de Aristarco. Repentinamente, porém, tudo termina. Américo, um aluno rebelde que não se acostumava com o regime do Ateneu, vinga-se pondo fogo no colégio, que em poucas horas é destruído. Ninguém morre, mas quase nada resta do glorioso Ateneu. Os últimos parágrafos do romance mostram Aristarco completamente derrotado, olhando as ruínas da grande obra de sua vida: "Lá estava, a uma cadeira em que passara a noite, imóvel, absorto, sujo de cinza como um penitente, o pé direito sobre um monte de carvões, o cotovelo espetado na perna, a grande mão felpuda envolvendo o queixo, dedos perdidos no bigode branco, sobrolho carregado. Falavam do incendiário. Imóvel! Contavam que não se achava a senhora. Imóvel! A própria senhora com quem ele contava para o jardim de crianças!".

Sobre o autor
Raul Pompéia
 Nasceu em 1863, em Angra dos Reis (RJ), e faleceu no Rio de Janeiro, em 1895. Em 1880 publica seu primeiro romance, "Uma tragédia no Amazonas", e no ano seguinte ingressa na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, em São Paulo. Participa ativamente dos movimentos abolicionistas e republicanos e começa a colaborar na imprensa. Em 1888, publica em folhetins da Gazeta de Notícias o romance "O Ateneu".
Douglas Tufano
Douglas Tufano nasceu em São Paulo. É formado em Letras e Pedagogia pela USP. Foi professor efetivo da rede oficial de ensino de São Paulo e trabalhou também em escolas particulares, tendo lecionado Português, Literatura Brasileira e História da Arte. Atualmente, ministra cursos de capacitação para professores de todo o Brasil a convite de Secretarias de Educação e instituições particulares de ensino. É autor de vários livros didáticos e paradidáticos, publicados pela Editora Moderna.
Você pode se interessar por:
 
 
 
 
© Editora Moderna 2013. Todos os direitos reservados.