ocrimedopadreamado_md

O crime do Padre Amaro
Autor: 
Edição: 3ª Edição
Formato: Impresso
Faixa etária: A partir de 15 anos
Trabalho interdisciplinar: Filosofia, Literatura, Português
Indicação: 1º Ano (EM), 2º Ano (EM), 3º Ano (EM)
Área: Ficção
Temas contemporâneos: Ética
Dimensões do produto: 16 x 23 x 2,7
Número de páginas: 488
ISBN: 9788516101237

Leitura indicada para:

Vereda Digital

Disciplina: Gramática (Vereda Digital 2018)

Volume/Ano: Volume Único

Unidade/Capítulo: Capítulo 13

Disciplina: Literatura (Vereda Digital 2018)

Volume/Ano: Volume Único

Unidade/Capítulo: Capítulo 14

Preço sugerido: R$ 32,00
Mudar o tamanho da letra  
 
 Sobre o livro

O enredo de O crime do padre Amaro gira em torno de Amaro Vieira, lisboeta, filho de um casal que trabalhara para o marquês de Alegros. Órfão aos 6 anos, é a marquesa quem toma conta dele e o prepara para seguir a carreira eclesiástica. Vivendo entre as criadas, cresce um menino mimado. Quando entra para o seminário, aos 15 anos, é um rapaz física e psicologicamente fraco. Aceita passivamente o sacerdócio, sem demonstrar nenhuma inclinação para esse tipo de vida. Por intermédio de um antigo professor no seminário, o cônego Dias, "mestre de moral", Amaro obtém a paróquia da cidade de Leiria, no interior de Portugal. Hospeda-se na casa de S. Joaneira, concubina do cônego, viúva e com uma filha, Amélia, uma linda morena de 23 anos. Amélia é seduzida por Amaro, tornando-se sua amante. O cinismo e a imoralidade dos colegas (cônego Dias, padre Natário e padre Brito), que vivem a explorar a ingenuidade e a mente supersticiosa dos fiéis, amortecem a consciência de Amaro, que acaba como eles, não hesitando em satisfazer seus desejos pessoais à custa daqueles a quem deveria servir de guia espiritual e moral. A exceção é o abade Ferrão, o único religioso virtuoso do romance. As beatas de Leiria, porém, não compreendiam sua simplicidade e austeridade e o consideravam um "relaxado". Sua firmeza de caráter e seriedade no cumprimento da missão sacerdotal põem em evidência a corrupção moral e a hipocrisia dos outros padres, acentuando ainda mais a crítica social de Eça de Queirós. Amélia acaba engravidando e Amaro dá um jeito de afastá-la da família para abafar o escândalo. Ela morre no parto e ele entrega o bebê a uma mulher que, no entanto, não é confiável e deixa a criança morrer. Amaro muda-se de Leiria e, no final do romance, vamos encontrá-lo de bem com a vida, prosseguindo em sua carreira de conquistador, só que com outra tática: agora só quer saber de mulheres casadas.

Sobre o autor
Eça de Queiros
Nasceu em Portugal, em 1845, e faleceu em Paris, em 1900. É o mais importante escritor português do século XIX. Deixou uma vasta obra, que inclui relatos de viagem, crônicas, ensaios, contos, mas foi como romancista que deixou seu nome na história da literatura. É com ele que tem início, didaticamente falando, o movimento realista em Portugal.
Douglas Tufano
Douglas Tufano nasceu em São Paulo. É formado em Letras e Pedagogia pela USP. Foi professor efetivo da rede oficial de ensino de São Paulo e trabalhou também em escolas particulares, tendo lecionado Português, Literatura Brasileira e História da Arte. Atualmente, ministra cursos de capacitação para professores de todo o Brasil a convite de Secretarias de Educação e instituições particulares de ensino. É autor de vários livros didáticos e paradidáticos, publicados pela Editora Moderna.
Você pode se interessar por:
 
 
 
 
© Editora Moderna 2013. Todos os direitos reservados.