Capa_O_Alienista-1.jpg

O alienista e outros contos
Autor: 
Edição: 4ª Edição
Formato: Impresso
Faixa etária: A partir de 15 anos
Trabalho interdisciplinar: Literatura, Português
Indicação: 1º Ano (EM), 2º Ano (EM), 3º Ano (EM)
Área: Ficção
Temas contemporâneos: Ética
Dimensões do produto: 16 x 23 x 1
Número de páginas: 168
ISBN: 9788516096885

Leitura indicada para:

Moderna Plus 2016

Disciplina: Literatura (Moderna Plus 2016)

Volume/Ano: Volume Único

Unidade/Capítulo: Capítulo 19

Projeto Araribá

Disciplina: Português

Volume/Ano: 8º Ano

Unidade/Capítulo: Unidade 01

Vereda Digital

Disciplina: Gramática (Vereda Digital 2018)

Volume/Ano: Volume Único

Unidade/Capítulo: Capítulo 20

Disciplina: Literatura (Vereda Digital 2018)

Volume/Ano: Volume Único

Unidade/Capítulo: Capítulo 15

Preço sugerido: R$ 32,00
Mudar o tamanho da letra  
 
 Sobre o livro

A obra apresenta dez contos de Machado de Assis, com destaque para "O alienista" (que alguns críticos costumam classificar como novela, pela extensão e estrutura narrativa). A profunda análise psicológica dos personagens - uma das marcas da literatura machadiana - está presente nesta coletânea, e o estudo do comportamento humano tem em "O alienista" seu ponto mais alto. Publicado em 1882, esse texto conta a história do médico Simão Bacamarte, um cientista obcecado em determinar com precisão os limites entre a razão e a loucura. Para isso, instala na cidadezinha de Itaguaí, no interior do Rio de Janeiro, um hospital para doentes mentais chamado Casa Verde. A princípio, é bem aceito pela população, mas à medida que vai encarcerando pessoas que ninguém considerava loucas, começam os protestos que deixam a cidade em polvorosa. Isso porque o doutor Bacamarte aplicava rigidamente o seguinte princípio: qualquer atitude que denunciasse um desvio da racionalidade (uma mania, um hábito estranho etc.), por mais irrelevante que fosse, bastava para que uma pessoa fosse considerada louca, e assim era internada. Depois de algum tempo, a maior parte da cidade estava na Casa Verde. Surpreendentemente, um dia, o doutor liberta todos os internados e aplica o princípio oposto: agora são considerados loucos quem é absolutamente justo, honesto, imparcial. Ele concluiu que agir assim de forma tão íntegra era um traço de anormalidade e, portanto, de loucura. Seu método de "cura", nesse caso, era tentar fazer desaparecer essas virtudes e "inocular" certos defeitos nessas pessoas, para que elas ficassem iguais à maioria. Ele solta, então, todos esses internados, devidamente "curados", e, ao reconhecer que só ele, naquela cidade, era absolutamente equilibrado, sem nenhum defeito, decide internar-se na Casa Verde, sozinho, para estudar seu próprio caso. Alguns meses depois, morre. A história do alienista (médico de loucos) pode ser lida como uma sátira às pretensões cientificistas da época, com sua fé cega no progresso da ciência. Os textos desta coletânea podem ajudar o professor a introduzir os alunos no estudo do Realismo em geral, e no estudo da obra machadiana, em particular.

Sobre o autor
Machado de Assis
Nascido no Rio de Janeiro, Machado de Assis (1839-1908) é considerado o mais importante contista do século XIX. Trabalhou na Imprensa Nacional como aprendiz de tipógrafo. Foi revisor e escreveu para jornais e revistas cariocas (contos, crônicas e críticas), mantendo essa atividade até o final da vida. Com a publicação de Memórias póstumas de Brás Cubas, marcou-se o início da fase mais realista de sua obra.
Douglas Tufano
Douglas Tufano nasceu em São Paulo. É formado em Letras e Pedagogia pela USP. Foi professor efetivo da rede oficial de ensino de São Paulo e trabalhou também em escolas particulares, tendo lecionado Português, Literatura Brasileira e História da Arte. Atualmente, ministra cursos de capacitação para professores de todo o Brasil a convite de Secretarias de Educação e instituições particulares de ensino. É autor de vários livros didáticos e paradidáticos, publicados pela Editora Moderna.
Você pode se interessar por:
 
 
 
 
© Editora Moderna 2013. Todos os direitos reservados.